Notícia - As Dez profissões que não existem mais por Maria Carmo

  • As Dez profissões que não existem mais por Maria Carmo - Imagem 1

Com a tecnologia avançando a cada dia, o mundo está em constante mudança, o que era moda a um ano atrás, hoje em dia já está obsoleto. Temos que acompanhar a evolução nesse mesmo ritmo frenético, se não ficamos ultrapassados. Foi o que aconteceu com algumas profissões de antigamente, que não conseguiram acompanhar o boom da tecnologia e foram ou estão praticamente extintas. Trago para vocês algumas profissões que já foram importantes no passado, e hoje em sua grande maioria não existem mais:

 

 

Bobo da corte:  bufão, bufo ou simplesmente bobo é o nome pelo qual era chamado o "funcionário" monarquis encarregado de entreter o rei e rainha e fazê-los rirem. Muitas vezes eram as únicas pessoas que podiam criticar o rei sem correr riscos.

 

Leiteiro:  é uma pessoa, tradicionalmente homem, que entrega leite em garrafas de leite ou em caixas de papelão. A entrega de leite, frequentemente, ocorre de manhã e não é raro eles entregarem outros tipos de produtos além do leite, como: ovos, queijos. O termo "leiteiro" é usado para referir-se quanto ao homem ou mulher que exerce esta profissão.

Fotográfo Lambe Lambe:  também conhecido como fotógrafo de jardim, por utilizar muitas vezes um jardim para o fundo das fotos, é um profissional em extinção. Era comum encontrar esses profissionais  nas praças encapuzados e quase fundidos à caixotes sobres tripés, verdadeiras maravilhas da síntese que unia a câmara ao laboratório.

 

Datilográfo: Aquele que escreve à máquina, depois do surgimento do computador, praticamente  foram substituídos pelos digitadores.

 

Cocheiros:  Era a pessoa responsável por conduzir os cavalos em uma carroça ou carruagens. Eles eram uma especie de motorista para a nobreza.

 

Alfarrabistas: O que compra e vende alfarrábios (livro antigo ou velho).Coleccionador de livros antigos (in  "Dicionário técnico de termos alfarrabístico

 

Telegrafista:  O telegrafista era o profissional responsável por transmitir e receber mensagens por meio de um código próprio, conhecido como código Morse, em homenagem a seu inventor, Samuel Morse. 

 

 

Pinsetter:  tinha como função recolher e organizar os pinos derrubados depois de um arremesso de bola no boliche, e deixá-las certinhas para o próximo jogador. No entanto, em 1952 um sistema automático começou a ser usado para este fim, e os organizadores de pinos deixaram de ser contratados.

 

Pianista de Cinema: Na época em que o cinema ainda era mudo, pianistas eram contratados para fazer a trilha sonora dos filmes e deixar o público mais interessado durante as exibições dos filmes.  A profissão foi popular até 1929.

 

Calceteiro: Operário que calça as ruas com pedras justapostas; empedrador. É provavelmente  uma das mais antigas profissões conhecidas. Atualmente a maioria das cidades tem suas ruas cobertas por asfaltos, uma técnica mais barata, porém nem tão bonita.

 

 

 

 

Fontes de pesquisa:

Wikipedia e Blog de Maria Carmo

http://comoserumprofissionaldesucesso.blogspot.com/